Mesmo com e-commerces, brasileiros preferem ir aos supermercados, diz estudo

C

A digitalização do consumo e criação dos e-commerces é uma tendência que já vinha aumentando nos últimos anos, mas que ganhou forte impulso de crescimento com a pandemia. Muitos negócios – inclusive supermercados – aderiram e/ou incrementaram novidades para acompanhar essa nova forma de consumir.

Isso, no entanto, não significa que esse legado de compra online irá se impor aos supermercados como um novo normal. É o que revelam os dados coletados pelas especialistas Fátima Falcão (executiva de negócios para o varejo do Google), Antonella Weyler (especialista de insights para o varejo do Google) e Naira Sato (diretora de pesquisa na Mintel – uma das maiores agências de inteligência de mercado do mundo) durante a live “Como o varejo pode se reinventar? ”, transmitida pelo Google Academy.

O varejo alimentar e o e-commerce

A indústria do varejo alimentar é considerada como a última fronteira do e-commerce porque é a mais difícil: “Ela faz parte do cotidiano das famílias brasileiras. Todo mundo gosta de ir ao supermercado e selecionar, em mãos, todos os produtos que quer levar para casa”, observa Falcão.

Weyler afirma que essa divisa foi ultrapassada, porém, a predominância de lugares físicos ainda é alta: “19% dos brasileiros compraram online, ou seja, 8 em cada 10 brasileiros ainda não cruzaram a fronteira do universo online”. A especialista divulgou algumas análises que comprovam esse movimento:

  • Os consumidores tinham hábitos muito arraigados no universo físico e isso tinha raízes comportamentais muito fortes, como o “sair para comprar”, que tem um valor simbólico essencial no dia a dia do brasileiro;
  • Grandes preconceitos e crenças: comprar no digital é mais caro por causa do frete;
  • Falta de controle da jornada: não sei que horas e de que forma o pedido vai chegar;

Quem cruzou a fronteira, por sua vez, afirma que a barreira de compra de perecíveis continua: “Quando a gente perguntava quais elementos você não compraria online, a gente vê que os perecíveis são a parte mais sensível da cesta. […] Isso é um ponto sensível para o brasileiro, que está cada vez mais preocupado com a saúde”, conclui Weyler.

Os novos hábitos de consumo dos brasileiros

Para complementar o estudo, Naira Sato trouxe dados relevantes: 33% dos brasileiros estão dando prioridade aos exercícios físicos, enquanto que 44% estão preferindo comer de forma mais saudável.

“Uma oportunidade para comunicação focada em benefícios, como gôndolas com itens mais específicos de acordo com as necessidades do consumidor”, analisa Sato.

Criar expositores personalizados de acordo com a busca do seu consumidor facilita a jornada de compra do cliente. Conheça algumas de nossas soluções.

A era do hipercuidado

Infografico supermercado.

 

Diante deste cenário, o legado para o futuro é a fusão do melhor dos dois mundos: importar do digital toda a tecnologia para trazer segurança e conveniência às compras, e trazer do físico o toque humano e cuidado, essencial em uma categoria tão básica que é a compra de alimentos. Escolher expositores funcionais e de qualidade que auxiliam nos cuidados de higiene dos produtos é essencial e um aliado importante no aumento das vendas.

“O futuro não precisa ser necessariamente hightech. Na era pós-covid-19, o futuro do varejo alimentar será high-caring. Bem-vindos à era do hipercuidado”, afirma Antonella Weyler.

A era do hipercuidado não é sobre esterilizar compras e relações, mas, sim, de trazer o toque humano como ferramenta essencial que transforma a percepção de segurança em proteção. Em um período de tanta instabilidade, as pessoas estão em busca de atenção, e sentir que suas necessidades estão sendo atendidas com cuidado vai gerar resultados satisfatórios para o futuro.

Expositores para supermercados.Cotação de expositores para supermercados